A partir do 20 de Março do 2020 e pelo Decreto 297/20 todo o pais ingreso num período de

isolamento social, preventivo e obrigatório.

¿Qué significa?

Você não pode sair da casa ou alojamento na cidade apenas para se fornecer dos artigos

essenciais como alimentos, artigos de limpeza e medicamentos.

Se você não cumpre as normas, comete um delito.


No caso de ter viajado para um pais onde o virus circula ou tiveste contato com

pessoa doente, você deve ficar por 14 dias isolado.

Se você tambem tiver algum dos sintomas, ligue gratis à 107.


Para mais informações, por favor envie um e-mail para turismo@buenosaires.gob.ar

Jorge Luis Borges
Escritor argentino mais reconhecido no mundo, e um dos autores mais destacados do século XX.

O escritor argentino mais reconhecido no mundo e um dos autores mais destacados do século XX, nasceu em pleno Centro da Cidade de Buenos Aires, em 1899. Pouco tempo depois sua família se mudou ao bairro de Palermo, onde viveu parte de sua infância.

Sua estada na Europa com a família entre 1914 e 1921, para tratamento de saúde de seu pai, permitiu-lhe entrar em contato com as vanguardas européias e publicar em 1923, já de volta a Buenos Aires, seu primeiro livro de poemas, Fervor de Buenos Aires. Sua obra é rica em ensaios breves, contos e poemas; mereceu o Prêmio Internacional de Literatura em 1961, compartilhado com o escritor irlandês Samuel Beckett, e o Prêmio Cervantes em 1980. Faleceu em Genebra, Suíça, em 1986. É recordado especialmente por dois de seus livros de contos: Ficções e O Aleph.

O percurso pelos lugares emblemáticos da cidade na vida de Borges começa pelo lugar onde se encontrava seu Solar Natal, localizado na calle Tucumán, 840. A casa já não existe e no lugar há uma placa que a recorda. Segue pela Plaza San Martín e pelo apartamento da calle Maipú, 994, 6° B, para onde o escritor se mudou em 1944 e foi sua residência durante as décadas seguintes; também a vizinha Livraria La Ciudad, na Galeria do Leste, que frequentava regularmente. Perto dali se encontra a antiga sede da Faculdade de Filosofia e Letras, em Viamonte, 340, na qual Borges foi professor de Literatura Inglesa a partir de 1956.

Caminhando para o sul pela calle Reconquista e logo depois de atravessar a Plaza de Mayo, seguindo pela calle Defensa, pode-se chegar até o lugar onde funcionava a antiga sede da Biblioteca Nacional, na calle México, 564, da qual Borges foi diretor durante 18 anos.

O circuito continua até o bairro Boedo, onde se encontra a Biblioteca Municipal Miguel Cané, reconhecida por ser o primeiro lugar onde o escritor trabalhou e que conserva  sua escrivaninha e seus elementos de trabalho. Após, é interessante ir até Palermo, um dos bairros que mais influiu na obra de Borges, para conhecer a sua casa de infância, localizada na calle Borges, 2135; a Casa de Evaristo Carriego em Honduras, 3784, onde se familiarizou com o mundo do arrabalde e dos guapos, que atravessa toda a sua obra; e o Museu Xul Solar, dedicado ao pintor, um dos seus grandes amigos. O Jardim Japonês lembra a admiração que o escritor professava pela cultura japonesa.

O destino final deste percurso é no bairro da Recoleta, onde se encontram algumas moradias que habitou Borges: na calle Quintana, 222, em 1924 e 263, entre 1943 e 1946; e na Avenida Pueyrredón, 2190, 5° piso, entre 1929 e 1939. E para terminar, a Fundação Internacional Jorge Luis Borges, na calle Anchorena, 1660, criada por sua esposa, María Kodama, que abriga uma coleção de objetos que pertenceram ao autor.