Dia 6 | Uma semana em Buenos Aires
Museus pela manhã. Boulevard Cerviño. Bosques de Palermo. Las Cañitas e noite de drinks.

Manhã

Depois de tantos dias caminhando pelas ruas de Buenos Aires, chegou a hora de passear pelos museus. No bairro da Recoleta podemos escolher entre uma variedade deles, todos muito próximos: Museu Isaac Fernández Blanco (Rua Suipacha, 1422), o Museu Nacional Ferroviário (Av. del Libertador, 405), o Museu de Arquitetura e Design (Av. del Libertador, 999) e o Palais de Glace (Rua Posadas, 1725).

Um ícone da cidade é o Museu Nacional de Belas Artes (Av. del Libertador, 1473), que guarda mais de 11 mil obras de Picasso, Rembrandt, Manet, Goya e Van Gogh, entre outros. Alguns quarteirões depois e encontramos o Museu de Arte Decorativa, no Palácio Errázuriz (Av. del Libertador, 1902) e, mais adiante na Av. Figueroa Alcorta, o Museu de Arte Latinoamericana de Buenos Aires (MALBA), com obras de Frida Kahlo, Di Cavalcanti, Berni e Botero, entre outros.    

Meio Dia

Saindo do MALBA caminhamos quatro quarteirões pela Rua Salguero até a Rua Cerviño. Chegamos ao boulevard que é um dos últimos pólos gastronômicos da cidade. Armazéns orgânicos, propostas gourmets e cozinha italiana são as opções.

As trattorias Guido Restaurante (Rua Cerviño, 3943) e Olivetti (Rua Cerviño, 3800); o restaurante de comida mexicana Taco Box (Rua Cerviño, 3768); o delivery vegano Picnic (Rua Cerviño, 3596); a pizza do Voulez Bar (Rua Cerviño, 3802) são algumas das opções. Em seu arredores também há excelentes alternativas: comida indiana no Bengal Deli (Rua Cabello, 3780), uma padaria gourmet, a Boulan (Rua Ugarteche, 3045) ou a "parrilla" La Josefina (Rua Lafinur, 3006).

Tarde

Caminhamos por Ugarteche e chegamos na Av. del Libertador, no Jardim Japonês (Av. Casares, 2966), um espaço verde com arquitetura oriental que inclui pontes sobre os lagos e um restaurante. Alguns metros a frente está a Av. Figueroa Alcorta. Dobramos a esquerda e na próxima esquina estaremos na interseção com a Av. Sarmiento;

Neste ponto vemos, à direita, o Planetário Galileo Galilei, uma construção esférica que explica os fenômenos astronômicos. Continuamos para o "Paseo de la Infanta" e damos a volta ao redor de um dos lagos dos Bosques de Palermo. Fazemos uma parada cultural no Museu Eduardo Sívori (Av. Infanta Isabel, 555) e continuamos pela Av. del Libertador, onde estão o Hipódromo Argentino de Palermo (Av. del Libertador, 4101) e o Campo Argentino de Polo (Av. del Libertador esquina com Rua Dorrego), dois edifícios emblemáticos que convidam a uma viagem à Belle Époque francesa.  

Noite

Ao final do dia estamos no Campo de Polo e pertinho do lugar onde iremos à noite. Saindo do movimento da Av. del Libertador vamos para a zona de Las Cañitas. A Rua Báez é o centro deste pólo gastronômico que reune um cardápio eclético: hambúrgueres gourmets, comida caseira, comida árabe, "parrillas" e pratos portenhos. Depois de comer, escolhemos um bar ou uma cervejaria e vamos ficando até depois da meia noite.

Outra opção é pegar um táxi e passar para outro bairro, o Palermo Viejo, onde já estivemos, a famosa região onde a noite não tem fim. Podemos tomar alguns drinks no Rey de Copas (Rua Gorriti, 5176), nos speakeasy Frank’s (Rua Arévalo, 1445) ou Nicky Harrison (Rua Malabia, 1764); optar pelo chope do Blue Dog (Rua Gorriti, 4758), Morante (Rua Godoy Cruz, 1781), da 1516 Cervecería (Rua Cabrera, 5227) ou do El Club Bar (Rua Honduras, 5028). 

Visitas guiadas gratuitas
- Todos os dias você pode percorrer o bairro de Palermo de bicicleta durante 75 minutos numa experiência sensorial, o Bike Tour BA Os Seis Sentidos de Palermo, organizado pelo Ente de Turismo da Cidade.  
- Todas as sextas-feiras você pode conhecer os Bosques de Palermo numa visita guiada organizada pelo Ente de Turismo da Cidade.           
- Todas as segundas e sextas você pode percorrer os Bosques de Palermo no Eco-Auto, passeio organizado pelo Ente de Turismo da Cidade.

 

« dia 5 | dia 7 »