A partir do 20 de Março do 2020 e pelo Decreto 297/20 todo o pais ingreso num período de

isolamento social, preventivo e obrigatório.

¿Qué significa?

Você não pode sair da casa ou alojamento na cidade apenas para se fornecer dos artigos

essenciais como alimentos, artigos de limpeza e medicamentos.

Se você não cumpre as normas, comete um delito.


No caso de ter viajado para um pais onde o virus circula ou tiveste contato com

pessoa doente, você deve ficar por 14 dias isolado.

Se você tambem tiver algum dos sintomas, ligue gratis à 107.


Para mais informações, por favor envie um e-mail para turismo@buenosaires.gob.ar

4 parques com a assinatura de Carlos Thays
Aproveitar o ar livre em Buenos Aires normalmente relembra um nome e sobrenome. Conheça alguns destes espaços verdes!

A cada rua, um jardim encontrado

“Para ser feliz é melhor viver em uma cabana dentro de um bosque que em um palácio sem jardim”, disse Carlos Thays. Esta frase reflete toda uma cidade impactada pelo seu trabalho. Entre praças, parques e fazendas, este paisagista continua cativando, até hoje, os visitantes a cada mudança de estação. 

O homem por trás do nome

Jules Charles Thays se mudou temporariamente para a Argentina em 1889 e, ao se apaixonar pelo país (algo que acontece frequentemente) decidiu ficar o resto de sua vida. Depois de concorrer a um concurso público em 1891, se tornou o Diretor de Parques e Passeios da Cidade de Buenos Aires, cargo que exerceu até 1913. Por quatro gerações, todos os filhos primogênitos da família recebem o mesmo nome e continuam o seu legado e trabalho. Inclusive, o seu filho Carlos León Thays também foi diretor da mesma organização entre 1921 e 1946.

Vamos ao concreto: Cerca de 80% dos parques, praças e espaços públicos de Buenos Aires foram feitos pelo paisagista, além de modernizar muitos outros. Igualmente, Thays contribuiu para o estudo da flora argentina e fundou uma das escolas botânicas mais importantes do país. Também colaborou para a germinação e plantação da erva-mate, ingrediente principal de uma das paixões portenhas, o mate. A segunda geração Thays também é responsável pela arborização e o colorido da Avenida 9 de Julio, reconhecida como uma das mais largas do mundo.

Inspire-se abaixo com os 4 passeios com a assinatura de Carlos Thays.

1. Ande pelo Jardim Botânico 

Jardín Botánico

Além de abrigar diversos tipos de árvores nativas e exóticas de múltiplas partes do mundo, o Jardim Botânico, aberto ao público em 1898, é um oásis em pleno centro da cidade. Carlos Thays não somente projetou este espaço, como morou com a sua família no edifício central de estilo inglês. Também conta com 33 obras de arte e 5 estufas, inclusive a maior (ao lado da antiga moradia do paisagista) foi trazida de Paris após ter sido premiada na Exposição Universal de 1889.

2. Sinta o cheiro das flores do Parque Tres de Febrero

Parque Tres de Febrero

Um dos lugares clássicos de Buenos Aires é este parque no bairro de Palermo. O Parque Tres de Febrero já existia antes dele, mas Carlos Thays contribuiu para o seu processo de modernização e melhoramento geral. Como o fez? Ele deu vida à flora nativa e particularmente aos lagos ao redor, as pontes e as pérgulas. Alguns anos mais tarde, seu discípulo e ex-aluno Benito Carrasco construiu o Rosedal que se encontra no seu centro. 

3. Percorra o Parque Centenario com um patinete elétrico

Parque Centenario

O Parque Centenario localizado no bairro de Caballito foi construído para comemorar os cem anos da Revolução de Maio. Porém, só foi terminado 10 anos depois da data prevista, sendo inaugurado em 1920. Dizem que o seu formato circular é inspirado no escudo nacional, ideia pensada pelo paisagista. Dica: aproveite para andar com um patinete elétrico em uma visita guiada organizada pelo Ente de Turismo.

4. Passeie pelo Parque Lezama

Parque Lezama

O Parque Lezama, localizado no bairro de San Telmo, é considerado de forma unânime como um dos mais bonitos da cidade. Abriu suas portas ao público em 1894, e dois anos mais tarde, Carlos Thays influenciou na sua reforma ao adicionar caminhos, árvores e jardins de rosas. Hoje, a casa no local abriga o Museu Histórico Nacional.